Pra quem quiser me visitar....
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
Terça, 05 Setembro 2017

Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina

“Comer é um ato agrícola”

Wendell Berry

“O cultivo é um ato gastronômico”

Carlo Petrini

Era fevereiro de 2013 quando Rafael Cardoso e Talita Prudente deixaram Belo Horizonte rumo à Serra da Bocaina. Ele, um cozinheiro premiado. Ela, uma psicóloga que jamais se havia arriscado na cozinha – nem café fazia. O reencontro com o campo mudaria irremediavelmente suas vidas, num processo de redimensionamento do tempo e reconexão com a memória.

No sítio onde vivem em Silveiras, começaram a construir a ideia do Curiango Venda e Cozinha. Rafael vislumbrou a oportunidade de exercer o ofício de cozinheiro fora do ambiente de restaurante e receber pessoas como se acolhesse amigos em casa. Mais que isso, a mudança pra Silveiras lhe possibilitou a vivência do ambiente rural como ambiente da gastronomia por excelência. Hoje plantam frutas e vegetais, criam porcos e vacas, produzem pães, iogurte, ricota, charcutaria, vinagres, conservas, geleias.

Ao longo dos anos, Talita vem se envolvendo cada vez mais no processo de produção. As diferentes vocações de ambos acabaram por se complementar. 

Ela, sempre mobilizada pela memória afetiva, pelo universo das receitas familiares. Não sossegou enquanto não conseguiu reproduzir o pingo, doce de leite de receita goiana, que há muito sua família não fazia. Aprendeu a produzir ricota exatamente como elaborava o tio de Rafael.

Ele, motivado pela compreensão da memória do território, quer entender o que comia o povo da Bocaina. Faz dois anos que vem criando porcos, e tem se empenhado em resgatar o caruncho roxo, tipo de porco daquela região. Conseguiu com os amigos da Fazenda Nova Coruputuba, em Pindamonhangaba, sementes crioulas de milho vermelho da Bocaina e, além de plantar em sua propriedade, vem distribuindo entre as famílias do entorno, num esforço coletivo de recuperação da cultura deste milho.

A grande potência do trabalho do casal talvez resida no fato de compreenderem os produtos em seu contexto histórico e cultural, em vez de abordá-los meramente como ingredientes. Desconfio que seja este o melhor caminho – talvez o único – para o verdadeiro alcance do que quer que se possa chamar de brasilidade na cozinha.

No mais, deixo a palavra com os dois, que certamente hão de traduzir a essência do Curiango com mais propriedade do que eu jamais faria.

Curiango Venda e Cozinha

https://www.facebook.com/curiangovc/

Comentários:
em 15-09-2017
por: Merél
Que conversa boa! Estou amando esses vídeos <3
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: