Pra quem quiser me visitar....
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
Terça, 28 Novembro 2017

Privilégio no menu do dia

Fazia meia hora que eu esperava por uma mesa quando um senhor se apresentou à recepcionista como amigo de X, que já se encontrava no salão. Ao que a moça retrucou: “qual X, da equipe do 50 Best?” (referindo-se ao ranking de restaurantes da revista inglesa Restaurant) “Isso”, respondeu ele. Imediatamente o fizeram entrar.

Eu ainda esperaria mais uma hora até ser acomodada. Por acaso, a mesa que me foi então designada era bastante próxima à de X e seus quatro acompanhantes, o que me permitiu passar a noite observando o tratamento peculiar que a casa lhes destinava. Excessiva atenção por parte dos funcionários, mesuras sem fim por parte do chef, que chegou a improvisar um prato fora do cardápio pra surpreender o grupo.

A reação de muitos dos comensais em mesas vizinhas foi, digamos, curiosa: em vez de refletir sobre eventual equívoco por parte do chef em assumidamente privilegiar o grupo, alguns clientes se acotovelavam em frente à cozinha na tentativa de fotografar o prato especial que não poderiam comer, enquanto outros apelavam: “não dá pra mandar um igual pra nós?” Os garçons respondiam sem qualquer constrangimento: “esse prato não está no cardápio, foi feito especialmente praquela mesa, pois eles são do Prêmio 50 Best”.

Não houve como não me lembrar da emblemática crítica publicada no New York Times em 2013, na ocasião em que o restaurante Daniel perdeu uma de suas quatro estrelas. Intitulada Serving the stuff of privilege, a resenha foi assinada por Pete Wells, que, com extrema elegância, narrou situação parecida com a que acabo de descrever.

Talvez a única falha de Pete Wells tenha sido a de punir Daniel Boulud por conduta igualmente adotada por quase todos os seus pares. Em boa parte do mundo, é prática tão comum quanto lamentável o tratamento privilegiado dado a formadores de opinião. Poucos são os chefs de cozinha que se negam a aderir. Raros são os jornalistas que questionam este padrão.

No Brasil, não é diferente. E já faz tempo que a rotina deixou de se limitar aos restaurantes mais caros, chegando até aos botequins. Não são muitas as exceções. E não é por outro motivo que deixo de citar aqui o nome do local onde testemunhei a cena que agora relato. Me parece que seria injusto crucificar um único chef por comportamento reproduzido pela maioria de seus colegas de profissão - ainda que em geral o façam com um pouco mais de discrição.

Me pergunto se aqueles que promovem e aceitam esse tipo de barganha se dão conta de que tal praxe é irmã da cultura da troca de favores que domina as altas cúpulas do Estado brasileiro – e contra a  qual muitas destas mesmas pessoas eventualmente bradam. Podemos até eleger outra palavra pra definir a situação relatada neste post, mas a lógica me soa muito parecida. E é conduzida com assustadora naturalidade no meio da gastronomia, a ponto de o público lidar com isso sem indignação. Via de regra, só se incomoda quem fica fora da festa.

Tags:
Quarta, 08 Novembro 2017

De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade

Costumeiramente sou alvo de críticas quando comento que, de uns anos pra cá, já não tenho suportado longuíssimos e intricados menus degustação. Aceito e até compreendo as críticas, mas não posso evitar o sentimento que me arrebata ao fim de boa parte destas refeições (ressalvadas algumas honrosas exceções): tantas horas, tantos pratos, tanta solenidade, tanta autorreferência, pra quê? Depurar em busca do essencial me parece premissa importante demais pra ser esquecida.

Meu remédio contra os excessos na cena gastronômica tem sido invariavelmente o mesmo: Minas Gerais. Quando é grande minha fome de simplicidade, quando comer profissionalmente começa a se tornar chato e artificial, é hora de ir a Minas.

Drummond definiu como ninguém essa simplicidade que parece estar no DNA da cozinha mineira:

  “Certos espíritos dificilmente admitem que uma coisa simples possa ser bela, e menos ainda que uma coisa bela é, necessariamente, simples, em nada comprometendo a sua simplicidade as operações complexas que foram necessárias para realizá-la. Ignoram que a coisa bela é simples por depuração, e não originariamente; que foi preciso eliminar todo elemento de brilho e sedução formal (coisa espetacular), como todo resíduo sentimental (coisa comovedora), para que somente o essencial permanecesse.”

Passar uns dias na terra do poeta sempre funciona bem como antídoto contra a afetação e a superficialidade reinantes. Volto de fôlego renovado. Na última visita não foi diferente.

No quintal de Dona Serma, famosa doceira na miúda São Bartolomeu, testemunhei verdadeira lição de depuração. Sob o impiedoso bafo do tacho, ela e dona Doquinha se alternam por horas e horas no manejo da pá, até que dezenas de litros de leite se transformem num bocado de doce, cujo ponto é definido unicamente pela precisão dos sentidos daquelas mulheres. Um doce que guarda a beleza do simples, embora sua execução nada tenha de fácil.

De São Bartolomeu, segui viagem pra Belo Horizonte, onde a moderna cozinha do Trindade, um dos meus restaurantes preferidos na capital mineira, me garantiu mais uma vez uma grande refeição, e um prazer em nada menor do que aquele que senti no quintal de dona Serma.

A porção de gyozas com que se iniciou meu almoço (delicada massa e delicioso recheio de galinha caipira e pé de porco) já teria justificado a ida até a casa de Fred Trindade. Pois houve mais: lombinho em perfeita cocção – um oceano de distância dos maltratados e ressecados cortes com que tantas vezes nos deparamos em endereços menos cuidadosos. O acompanhamento, não menos impecável que a carne, era apenas uma pequena marmita de tropeiro de feijão andu, coroado por um ovo – “apenas” aqui não é depreciação, mas enaltecimento. A economia na escolha dos elementos é permissão pra que cada um deles brilhe em sua essência.

Restaurante Trindade

Restaurante Trindade

Trindade Belo Horizonte

Trindade Belo Horizonte

Seja nos quintais do interior ou no cosmopolitismo da urbe, venha do olhar de jovens cozinheiros ou das mãos de doceiras septuagenárias, sensibilidade, apuro e profundidade não dependem de CEP ou idade. Podem se manifestar a qualquer tempo e em qualquer lugar.

 

 

Doces da Dona Serma – à venda na loja Doces Edu Tijolo, em São Bartolomeu

Restaurante Trindade – Rua Alvarenga Peixoto 388 – Lourdes – Belo Horizonte

http://www.trindadebrasil.com.br/

© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: