Pra quem quiser me visitar....
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
Domingo, 08 Abril 2018

À mesa na Cidade do México

Mercado de Coyoacán

Poucas coisas são mais prazerosas do que chegar a uma cidade pela primeira vez. O frescor da novidade, que se reproduz a cada esquina, é um combustível poderoso, aparentemente inesgotável. Nos dias que passei recentemente na Cidade do México, essa sensação me habitou até o último minuto da viagem. Tudo me parecia superlativo naquela mistura de poesia e caos.   

Do ponto de vista da experiência gastronômica, igualmente havia muito de inédito pra mim. E mesmo o que era mais familiar mantinha o frescor do ineditismo, afinal, a cozinha mexicana, embora tão presente em nosso repertório, é das mais ultrajadas mundo afora. Antes de estar no México, poucas vezes tive contato com reproduções que me parecessem dotadas de alguma autenticidade. Portanto, nessa primeira visita, mesmo aquilo que não era exatamente novo tinha o viço da estreia.

As manhãs começavam sempre com uma xícara de café e una concha – às vezes duas. O pão leve, macio, de crosta açucarada se torou um vício. Encontrei bons exemplares na Pastelería Amado e na Bakers.

Pasteleria Amado

Bakers Mexico

Nos corredores dos mercados (o de Coyoacán foi o que pude explorar com mais calma) tive oportunidade de ganhar intimidade com o universo de sabores que povoariam minhas refeições: das frutas, como mamey e granadilla, aos chiles, frescos e secos, passando por produtos como nopal e huitlacoche.

Mercado de Coyoacán

Mercado de Coyoacán

Mercado de Coyoacán

Mercado de Coyoacán

Nas calçadas, vivenciei o prazer da comida de rua, que ali se agiganta. Me encantaram os carrinhos de frutas, os irresistíveis cestos de churros e os incontornáveis tacos.

Diante da taquería Los Cocuyos, pé sujo que é a quintessência da comida callejera na Cidade do México, não havia como ignorar o cheiro do caldeirão onde imergiam praticamente todas as partes da anatomia bovina. Eu havia acabado de almoçar quando passei por ali, mas não pude resistir aos emblemáticos tacos de suadero.

Los Cocuyos

Taqueria Los Cocuyos

Logo ao lado da Los Cocuyos, a taquería El Huequito, embora turística demais (e capaz de atrocidades como a versão de taco servido em pão pita no lugar da tortilla), me rendeu os melhores tacos al pastor daquela temporada. Da porção avantajada não restou sequer uma migalha.

El Huequito

El Huequito

O clássico, aliás, se revelou em deliciosa versão no casual e vibrante Contramar, cujo cardápio é inteiramente dedicado a peixes e frutos do mar. Além de uma saborosa porção de mexilhões com chipotle, minha refeição ali se resumiu aos tacos de pescado al pastor – muitos deles.

Contramar

Contramar

Entre os restaurantes mais ambiciosos, o Pujol, do chef Enrique Olvera, me assegurou um almoço inesquecível – mas isso é assunto que merece outro post.

Pujol

Por fim, há que voltar aos churros, não só porque figuram entre minhas predileções, mas porque é preciso falar da Churrería El Moro, onde estive religiosamente todos os dias. A filial em Condesa, uma bela casa à beira do Parque México, foi minha última parada antes de me despedir da cidade e seguir pro aeroporto.

Churreria El Moro

Churreria El Moro

Era uma tarde luminosa de domingo e me detive ali por um bom tempo. Na companhia de seus indefectíveis churros (fritos na hora, chegaram às minhas mãos ainda quentes e crocantes), me deixei impregnar pela atmosfera do lugar. O som do bolero tomava o salão, as janelas descortinavam o vaivém das cadeiras de balanço espalhadas na calçada, onde gente de todas as idades celebrava a vida compartilhando aqueles pequenos bocados, num ritual aparentemente prosaico, mas tão fundamental. Naquele momento, não havia outro lugar onde eu desejasse estar.

Churreria El Moro

Churreria El Moro

 

Pastelería Amado – Campos Elíseos 204 (no lobby do hotel Hyatt Regency) – Polanco

Bakers – Miguel Angel de Quevedo 50 esq. Arenal – Chimalistac

https://www.bakers.mx/

Mercado de Coyoacán – Malintzin 19 – Coyoacán

Taquería Los Cocuyos - Calle de Bolívar 57 – Centro

El Huequito – Calle Bolívar 58 – Centro

http://www.elhuequito.com.mx/

Contramar – Durango 200 –  Roma Norte

http://www.contramar.com.mx/

Pujol – Tennyson 133 - Polanco

https://www.pujol.com.mx/

Churrería El Morohttp://elmoro.mx/

 

Quinta, 22 Fevereiro 2018

Hotel Casa Oaxaca e o prazer dos sabores desconhecidos

Casa Oaxaca

Acredito que os lugares que nos marcam verdadeiramente seguem vivos dentro de nós por muito tempo, antes que as lembranças comecem a se dissipar na espuma dos dias. Foi assim com o hotel Casa Oaxaca, onde estive em dezembro passado. Parece que foi ontem. Quase posso sentir o perfume e o calor do chocolate de agua com que se iniciavam minhas manhãs.

O desjejum, servido no pátio da bela construção histórica (que no passado acolheu trabalhadores empenhados no erguimento do Convento de Santo Domingo), era um exercício diário de descobertas. Eu alimentava minha zona de conforto com uma generosa xícara de chocolate (com chiles, especiarias e água – em vez de leite) e deliciosos pães com consistência de bolo (ora de nozes, ora de banana), que chegavam ainda quentes no cesto. Depois disso, me permitia aventurar por sabores que, quando não eram absolutamente inéditos pra mim, eram pouco familiares em sua forma mais autêntica.

Casa Oaxaca

Casa Oaxaca

Casa Oaxaca

Casa Oaxaca

Me encantei com o mamey, que descobri ser da família do sapoti, uma de minhas frutas favoritas. Me surpreendi com a quantidade de salsa que escondia os chilaquiles. Devorei as delicadas quesadillas. Duvidei que fosse uma boa ideia começar o dia com uma caçarola de feijão preto, mas ainda assim tomei uma colherada – e, confesso, sonhei com um improvável almoço em que me trouxessem uma boa porção de arroz branco com um tanto daquele feijão.

Casa Oaxaca

Casa Oaxaca

Casa Oaxaca

Casa Oaxaca

Casa Oaxaca

Ali tive ainda o prazer de experimentar, como acompanhamento de outras refeições, as melhores tortillas e tostadas que me foram apresentadas durante a passagem pelo México. Não houvesse tantos bons motivos para desejar voltar àquele lugar, este seria suficiente.

Casa Oaxaca

Casa Oaxaca

Casa Oaxaca

Casa Oaxaca – García Vigil 407, Centro Histórico - Oaxaca

www.casaoaxaca.com.mx

 

© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: